BLOG

A Comissão Europeia diz estar “razoavelmente otimista” sobre uma “rápida recuperação” económica de Portugal após a crise gerada pela covid-19 e considera que a forma como o país “controlou” a pandemia beneficiará a retoma do turismo ainda neste verão, segundo entrevista do comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, à agência Lusa, em Bruxelas.

O responsável recordou que “Portugal foi bastante afetado pela crise anterior”, de há 10 anos, “que teve contornos muito sérios no país e afetou especialmente jovens, com alguns dos quais a terem de deixar o país para encontrar novas oportunidades”. Porém, desta vez a situação será diferente, segundo Nicolas Schmit. “Prevemos que a recuperação económica em Portugal aconteça relativamente rápido, o que permitirá também que o desemprego baixe mais rapidamente do que aconteceu na crise anterior”, comparou o comissário europeu.

Enquanto isso, Forbes, Le Figaro, New York Times e até a CNN também elogiam Portugal e os portugueses em tempos de pandemia. Desde o bom entendimento conseguido entre governo e oposição, ao sentido de responsabilidade da população, à rápida mobilização do Serviço Nacional de Saúde, o mundo está de olhos postos em Portugal e não há jornal de referência que não exalte as vantagens de viver em Portugal.

Portugal foi o primeiro país europeu a receber o selo "Safe Travels", que reconhece um compromisso com a segurança, informou esta quinta-feira o Governo. "Este selo visa reconhecer destinos que cumprem protocolos de saúde e higiene alinhados com os Protocolos de Viagens Seguras emanados pelo WTTC, ajudando, sobretudo, a instigar a confiança nos consumidores, de modo a que estes sintam que podem viajar em segurança assim que as restrições forem levantadas", explica o Ministério de Estado, da Economia e Transição Digital, em comunicado.

Tudo isso leva-nos a crer que sim, vai ficar tudo bem, mais rápido do que a maioria imaginava. E no mercado de festas não é diferente.

Aqueles que aproveitaram este tempo de quarentena para estruturar seus negócios e adaptar as estratégias à nova normalidade, tendem a usufruir das oportunidades nessa retoma.  Durante os últimos anos observou-se um elevado crescimento na área de festas infantis no país, com o surgimento de muitos profissionais e novos nichos. Esta é a altura de diferenciação entre os profissionais qualificados e os amadores.

Há imensas alternativas para o mercado, se considerarmos que as festas pós pandemia passam a ter um significado muito mais afetivo, para além do consumo. As pessoas querem celebrar a vida, festejar o regresso à normalidade, valorizar os momentos com os amigos e os familiares. Surgem alternativas como as pocket parties, as mini tables, a festas em casa. Para os profissionais este é o momento de adaptar a forma de trabalho e agregar valor a eventos mais pequenos e significativos.

Momentos de crise instigam as pessoas a criar soluções. É importante estar focado em ajustes de visão e reinventar-se sempre que necessário. Desafios são oportunidades de crescimento para aqueles que estão pré dispostos à mudança.

As perspectivas já não são más, mas o futuro ainda depende de atitudes.